Conheça 5 mitos sobre amamentação

Quem nunca ouviu alguma teoria sobre amamentação?

Preparei uma série explicativa de alguns temas que mais ouço em minhas andanças nesse mundo da amamentação. Vamos colocar luz nesse tema tão controverso?

 

 

#MITO 1 A sucção não nutritiva também faz parte da amamentação.

Sugar é algo importante para todos os bebês, tanto do ponto de vista fisiológico como emocional. Até os dois anos os bebês encontram-se na chamada fase oral e, é através da boca que experimentam, conhecem e reconhecem o mundo. Sugar o seio da mãe para se acalmar, além de fortalecer o vínculo, permite que o bebê tenha essa necessidade fisiológica suprida da melhor maneira possível.

 

 

#MITO 2 Bebês devem mamar de 3 em 3 horas

Quando amamentado exclusivamente, preconiza-se que o bebê seja amamentado em livre demanda (toda vez que solicitar). Dessa forma, garante-se que ele receba todo leite necessário para que se desenvolva de maneira adequada. Os bebês e, principalmente os muito novinhos, levam um certo tempo até realizarem mamadas mais efetivas e por isso, controlar o tempo de mamada bem como o intervalo entre elas é algo perigoso. Além disso, deve-se ter em mente que o amamentar vai muito além da nutrição do corpo físico e, por isso, amamentar em livre demanda significa valorizar todos os aspectos envolvidos no processo da amamentação!

 

#MITO 3: Meu bebê pede peito toda hora, meu leite deve ser fraco.

Leite fraco não existe. Simples assim. Cada mãe produz um leite especial e único para seu filho, com todos os nutrientes necessários para o seu crescimento e desenvolvimento na medida certa. O leite materno é de fácil digestão e, por isso, crianças amamentadas exclusivamente mamam com mais frequência.

 

 

#MITO 4: Quando ordenho não sai quase nada, devo ter pouco leite.

Ordenha mecânica, seja ela feita manualmente ou com bomba extratora não representam o volume de leite ingerido por um bebê. Não existe ninguém mais eficiente em tirar o leite do peito da mãe do que o próprio bebê. Todo seu sistema motor oral trabalha harmonicamente pra realizar essa função. Além disso, o contato pele a pele favorece a liberação de ocitocina, hormônio responsável pela descida do leite.

 

#MITO 5 Terei de parar de amamentar pois vou voltar a trabalhar

No momento do retorno ao trabalho, com planejamento e informação é possível manter a amamentação exclusiva. O planejamento envolve obter informações sobre como ordenhar e armazenar o leite materno a ser oferecido ao bebê no copinho pelo cuidador. Durante o período em que estiver trabalhando, quando possível, a mãe também poderá ordenhar seu leite. Isso ajuda na manutenção da produção e aumenta o estoque de leite materno a ser oferecido ao bebê. Além disso, manter a livre demanda nos momentos em que mãe e bebê estiverem juntos favorece a manutenção da produção láctea, além de ser um momento único pra matar a saudade!

 

Quer aprender muito mais sobre amamentação? Vem então conferir o conteúdo do Curso Avançado em Amamentação!

Um beijo e até a próxima!

 

Isa Crivellaro

Fonoaudióloga e Consultora em Amamentação

Deixe uma resposta