Perturbação na amamentação – Parte 2

Existem alguns fatores de risco envolvidos nessa condição como: amamentar durante a gestação, amamentação em tandem, amamentar crianças maiores, história de abuso físico, sexual ou psicológico, retorno da menstruação dentre outros.⁣

Infelizmente, há uma escassez de estudos sobre o tema, mas algumas causas possíveis apontadas em alguns trabalhos que podem ajudar no entendimento desse fenômeno envolvem:⁣

👉 Questões hormonais: Algumas mulheres perceberam haver relação com sua menstruação. Também parece haver influência hormonal quando ocorre na gestação na medida em que há mudanças na mama, assim como aumento de sua sensibilidade. ⁣

👉 Dinâmica da amamentação: poderia haver uma série de razões para isso, incluindo a dificuldade de dizer não ou de não estabelecer limites ou o fato da criança ser menos dependente do leite para sobreviver e ainda assim mamar com muita frequência, especialmente a noite, privação de sono e a existência de gatilhos que desencadeiam a situação. ⁣

👉 Privação de Sono e Auto-Cuidado: a falta de sono pode nos afetar de diversas maneiras, incluindo causar doenças crônicas e até mesmo depressão. Em um estudo realizado, esse foi um relato bastante comum pelas mães com perturbação, sendo este e o fato de não haver um momento de cuidado para si gatilhos normalmente citados. ⁣

Muitas mães reportam que o precursor da aversão é a sensação de ser tocada, havendo muitas vezes relação com o fato de se sentirem sobrecarregadas pelo excesso de contato físico com seus filhos, não tendo nenhum tempo sozinhas, sem serem tocadas.⁣

Será o desmame total a única opção para quem passa pela perturbação na amamentação? Ainda essa semana, falarei sobre possíveis estratégias para enfrentar essa condição. Fiquem ligadas 😉

Beijos

Isa Crivellaro
Fonoaudióloga e IBCLC

Deixe uma resposta