Quando o peito deixa de ser o problema e passa a ser a SOLUÇÃO!

Há quem ache que o peito é sempre o problema. Convido a todos a mudar essa perspectiva. Se a gente parar realmente pra pensar, quase sempre, o peito é a solução. Acompanha meu raciocínio:
– Bebê não tá ganhando peso? Precisa de MAIS PEITO (e claro: orientação adequada pra que esse bebê aprenda a ordenhar o seio da mãe de maneira efetiva).
– Tá doente, só quer peito. AINDA BEM QUE TEM O PEITO que hidrata e alimenta essa criança durante a fase de inapetência alimentar comum aqualquer pessoa que adoece. 

– Acorda muito a noite. Isso é da criança, É NORMAL que eles acordem a noite, a causa disso NÃO É O PEITO. Aliás, ainda bem que o peito ajuda eles a dormir de novo rapidinho!

– Ainda não engrenou na Introdução Alimentar: AINDA BEM QUE TEM O PEITO. Cada criança tem um ritmo e todas vão comer. Aliás, o que é comer bem pra você? Será que NÓS, os pais, muitas vezes, não criamos expectativas demais e irreais com relação à alimentação dos pequenos?

– Criança tá com anemia. Leite materno contém lactoferrina e não atrapalha a absorção do FERRO. Por isso, o problema é todo resto e NÃO o peito.
Esses são só alguns exemplos do muito que ouço por aí. 
E isso não significa, minha gente, que eu não valorize todos os outros aspectos envolvidos na criação de um bebê/criança. PELO CONTRÁRIO. Só acho que culpar a AMAMENTAÇÃO POR TUDO, sem considerar as diversas variáveis envolvidas, as evidências científicas, o contexto, os sinais que a criança dá, suas necessidades, capacidades e seu desenvolvimento é simplificar demais a coisa, certo?

3 thoughts on “Quando o peito deixa de ser o problema e passa a ser a SOLUÇÃO!

  1. Muito bom. Sou nutricionista, ontem participei do Conalco, ouvindo mais uma vez sobre todos os benefícios da amamentação mesmo após a I.A e a tarde ouço da pediatra que meu bebê de quase 9 meses já não deve mamar tanto assim, preciso ir "cortando" para que sinta mais fome e coma mais sólidos. Lamentável a medicina não abrir os olhos ainda pro aleitamento, são raras as exceções.

  2. Muito bom. Sou nutricionista, ontem participei do Conalco, ouvindo mais uma vez sobre todos os benefícios da amamentação mesmo após a I.A e a tarde ouço da pediatra que meu bebê de quase 9 meses já não deve mamar tanto assim, preciso ir "cortando" para que sinta mais fome e coma mais sólidos. Lamentável a medicina não abrir os olhos ainda pro aleitamento, são raras as exceções.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *